Julgamento de vereadores acusados de corrupção é adiado por ausência de testemunhas

Devido a ausência de testemunhas, a sequencia do julgamento foi transferida para o próximo dia 12 de setembro

Foto: Clarim.net

Foto: Clarim.net

O juiz de Direito titular da Vara Criminal de Araxá, Renato Zouain Zupo, adiou o julgamento dos sete vereadores acusados de corrupção o caso de venda e compra de apoio político na Câmara Municipal. Devido a ausência de testemunhas, a sequencia do julgamento foi transferida para o próximo dia 12 de setembro. Nova audiência acontece no Tribunal do Júri e será novamente aberto  ao público.

As investigações de compra e venda de apoio político na Câmara Municipal para eleição e reeleição à presidência da Casa, Miguel Júnior, tiveram início em agosto de 2015 com a prisão temporária de três vereadores envolvidos no esquema de corrupção. No decorrer das investigações, a Polícia Civil ouviu escutas telefônicas, que revelaram detalhes do caso. Os delegados concluíram que o presidente da Casa se reelegeu por meio de corrupção, além de ter confessado o pagamento de propina a políticos.

Em outubro do ano passado, sete políticos de Araxá foram indiciados no inquérito policial. Foram citados os vereadores Cachoeira, José Domingos Vaz, Marcílio Faria e Juninho da Farmácia, além do ex-presidente Miguel Júnior,  Sargento Amilton e Eustáquio Pereira, que renunciaram devido o envolvimento no caso de desvio de dinheiro do Hospital Santa Casa de Misericórdia de Araxá.

Se condenados , os registros de candidaturas dos vereadores afastados que desejam concorrer nas eleições municipais podem ser impugnados.

Autor: Saulo Aguiar

É jornalista, radialista e cooperativista. Formado em Comunicação Social, ganhou destaque com colunas opinativas e reportagens investigativas. Possui cursos na área de assessoria de comunicação, cooperativismo e gestão de projetos.

Compartilhe
468 ad

Comente

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *